AVALIAÇÃO DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE IPÊ AMARELO (Tabebuia chrysotricha (Mart. ex DC.) Standl.) EM DIFERENTES SUBSTRATOS

Bruno Eustaquio Cirilo Silva, Paulo Cesar Bissoli Pimenta, Marlinda Rufina Jolomba, Paulo Henrique Dionizio Luiz, Carlos Magno Mulinario Poloni

Resumo


O ipê amarelo, Tabebuia chrysotricha (Mart. Ex DC.) Standl., é uma espécie florestal nativa que ocorre desde o estado do Espírito Santo até Santa Catarina. A árvore é extremamente ornamental, sendo muito utilizada para arborização em praças e ruas, devido ao seu pequeno porte. Objetivou-se com este trabalho avaliar a germinação de sementes de T. chrysotricha em 5 diferentes substratos. O estudo constituiu-se no acompanhamento da germinação de 500 sementes divididas em 5 tratamentos, distribuídos em 4 blocos inteiramente casualizados. As contagens foram realizadas diariamente até 30 dias após a semeadura. Os substratos que apresentaram resultados superiores de IVG e TMG foram respectivamente vermiculita e mistura de solo (terra+ areia + esterco bovino [2:2:1]), já o substrato terra apresentou resultados inferiores em todos os quesitos avaliados. Conclui-se que germinação de sementes de T. chrysotricha apresenta resultados superiores quando semeados em substrato vermiculita

Palavras-chave


Germinabilidade; Casa de vegetação; Espécie florestal nativa

Texto completo:

PDF

Referências


BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Physiology and biochemistry of seeds, Berlin: Springer-Verlag, v.2., 1982.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 399p.

CARVALHO, P.E.R. Espécies Arbóreas Brasileiras. 1ª ed. Brasília: Embrapa; 2003.

CUNHA, A.O.; ANDRADE, L.A.; BRUNO, R.L.A.; J.A.L.; SOUZA, V.C. Efeitos de substratos e das dimensões dos recipientes na qualidade das mudas de Tabebuia impetiginosa (Mart. Ex D.C.) Standl. Revista Árvore, v.29, n.4, p.507-516, 2005.

ENGEL, V.L. Restauração ecológica de florestas tropicais: aliando benefícios ecológicos, econômicos e sociais. Revista Opiniões sobre o Setor de Celulose, Papel e Floresta. mar-maio de 2007. p.11.

ESCHIAPATIA-FERREIRA, M.S.; PEREZ, S.C.J.A. Tratamento para superar a dormência de semente de Senna macranthera (Collad.) Irwing et Bran. (Fabaceae-Caesalpinoidea). Revista Brasileira de Sementes, v.19, n.2, p.231-237, 1997.

FERRAZ, A.; ENGEL, V.L. Efeito do tamanho de tubetes na qualidade de mudas de jatobá (Hymenaea courbaril l. var. stilbocarpa (hayne) lee et lang.), ipê-amarelo (Tabebuia chrysotricha (mart. ex dc.) sandl.) e guarucaia (Parapiptadenia rigida (benth.) brenan). Revista Árvore, v.35, n.3, p.413-423, 2011.

FIGLIOLIA, M.B.; AGUIAR, I.B.; SILVA, A. Germinação de sementes de Lafoensia glyptocarpa koehne (mirindiba-rosa), Myroxylon peruiferum l. f. (cabreúva-vermelha) e Cedrela fi ssilis vell. (cedro-rosa). Revista Instituto Florestal, v.18, n. único, p.49-58, 2006.

INTERNATIONAL SEED TESTING ASSOCIATION – ISTA. Handbook of vigour test methods. 3. ed., Zürich: ISTA, 1995. 116p.

JELLER, H.; PEREZ, S.C.J.A. Estudo da superação da dormência e da temperatura de semente de Cassia excelsa. Revista Brasileira de Sementes, v.21, n.1, p.32-40, 1999.

KANASHIRO, S. Efeito de diferentes substratos na produção da espécie Aechemea fasciata (Lindley) Baker em vasos. 1999. 79 f. Dissertação (Mestrado em fitotecnia) – Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Piracicaba, 1999.

LABOURIAU, L.G. A germinação das sementes. Washington: Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos, 1983. 174p.

LOPES, J. C.; MATHEUS, M. T.; CORRÊA, N. B.; SILVA, D. P. da. Germinação de sementes de embiruçu (Pseudobombax grandiflorum (Cav.) A. Robyns) em diferentes estádios de maturação e substratos. Floresta, Curitiba, PR, v. 38, n. 2, abr./jun. 2008.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 384p. 2002.

MAGUIRE, J.D. Speeds of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v.2, n.2, p.176-177, 1962.

OLIVEIRA, L.M.; CARVALHO, M.L.M.; SILVA, T.T.A.; BORGES, D.I. Temperatura e regime de luz na germinação de sementes de Tabebuia impetiginosa (Martius ex A. P. de Candolle) Standley e T. serratifolia Vahl Nich. – Bignoniaceae 1. Ciência e Agrotecnologia, v.29, n.3, p.642-648, 2005.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2. ed. Brasília, DF: [s.n.], 1985. 289p.

RÊGO, G.M.; POSSAMAI, E. Efeito do substrato e da temperatura sobre a germinação e vigor de sementes do jequitibá-rosa (Cariniana legalis). Colombo: Embrapa Florestas, 2004. (Embrapa Florestas, comunicado técnico 127).

SCALON, S.P.Q. Estudo da germinação de sementes e produção de mudas de pau-pereira (Platycyamus regnelli Benth.). 1992. 63f. Dissertação (Mestrado em agronomia) – Escola Superior de Agricultura de Lavras, Lavras, 1992.

SILVA, R.P.; PEIXOTO, J.R.; JUNQUEIRA, N.T.V. Influência de diversos substratos no desenvolvimento de muda de maracujazeiro–azedo (Passiflora edulis Sims f. flavicarpa Deg). Revista Brasileira de Fruticultura, v.23, n.2, p.377–381, 2001.




DOI: https://doi.org/10.18540/jcecvl4iss3pp0334-0337

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 The Journal of Engineering and Exact Sciences

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

eISSN 2527-1075 - The Journal of Engineering and Exact Sciences

revistareq2@gmail.com

(OLD TITLE: EISSN 2446-9416 - Journal of Chemical Engineering and Chemistry)

Av. P. H. Rolfs, s/n Departamento de Química/UFV

36570-900 Viçosa-MG/Brazil

https://jcec.ufv.br/

Template em docx: 

https://jcec.ufv.br/public/journals/1/files/template_REQ2.docx

Template em pdf: 

https://jcec.ufv.br/public/journals/1/files/template_REQ2.pdf

 

Flag Counter